Entenda como funciona a guarda compartilhada de animais

Os casais que estão em processo de separação poderão dividir a guarda dos animais de estimação, entenda como funciona.

Postado em 18/01/2018.

Um grande problema enfrentado por casais é o divórcio e então surgem diversas dúvidas, os filhos devem morar com as duas pessoas? Esta é uma questão que se torna ainda mais complicada quando envolve os cães, afinal de contas se os dois gostam dos pets e os querem por perto, como é possível entrar em um acordo para isto? Há um processo de guarda compartilhada para os animais?

Entenda como funciona a guarda compartilhada de animais

Existem leis de proteção aos animais

É fato que poucos sabem, mas existe uma lei que poderá proteger os pets e garantir uma boa conciliação entre as duas partes, tanto porque o cão é considerado como um bem material pela justiça, por mais triste que possa parecer posteriormente. Tudo porém pode ter uma solução, e poderá terminar em uma divisão devidamente amigável, e assim a guarda compartilhada foi instituída no ano de 2010 devido ao grande índice de divórcio, este elevado de forma considerável nos últimos anos.

Os pets são protegidos por lei

Existe um projeto de lei de número 7196/10, que foi desenvolvido através do deputado Márcio França pelo PSBSP onde exige uma comprovação de quem de fato é o proprietário do cão. Este é um documento considerado válido pelo juiz que deverá apresentar uma nota fiscal de compra do pet ou mesmo algum registro deste animalzinho de estimação. Esta é uma parte interessante e burocrática, o que poderá parecer desnecessário em contrapartida é fundamental para se assegurar uma divisão mais justa e não tornar a decisão de justiça ainda muito mais subjetiva.

Caso você não tenha documento para comprovar, nessa situação a guarda unilateral é algo alternativa. Se avalia qual das duas pessoas possuem uma maior afetividade para com o pet, além de que se tenha a certeza de que o ambiente é adequado para o animal viver, se ele for bem tratado e quanto tempo que o tutor poderá passar através dele.

Como compartilhar o companheiro?

Existem diversos ex casais que não precisam buscar a justiça para resolver a situação de seus pets. E estes poderão dividir o pet de forma igual pelo número de dias, dessa forma fica tudo mais flexível e o cãozinho acaba sofrendo menos, já que irá continuar vendo as duas pessoas.

Há ainda um destaque que o fato de o cão irá gerar alguns custos para o tutor e isso deverá ser dividido entre ambos, como por exemplo com um gasto com comida, as vacinas e os banhos. As mudanças são processos muito complicados para humanos e principalmente em especial para os animais. Tudo isto deverá envolver uma adaptação para novos territórios e a uma rotina diferente.

Os cães são irracionais, e não entendem a guarda compartilhada, por isso é importante que se tenha a noção de que o cão poderá sentir muita falta até acostumar, e dependendo da situação tende a ficar doente e deprimido, por este motivo o interessante é que ele tenha sempre o contato com as duas partes.